Tel.: (11) 3064-2035

Dermatologia Clínica, Cirúrgica e Estética

CRM-SP 131438

Dra. Renata Alves

Acne

1. O que é a acne?

Acne é o termo médico para a presença de cravos e espinhas na pele. É uma doença frequente, multifatorial da unidade pilossebácea. É mais comum nos adolescentes, mas pode persistir até a fase adulta. Acomete principalmente a face, colo, ombro e as costas.

 

 

2. Quais são as causas?

A unidade pilossebácea é composta pela glândula sebácea e pelo ducto de um pêlo rudimentar. A elevação dos níveis hormonais causa aumento desta glândula, o que leva à produção excessiva de sebo. Assim, há a formação de um “tampão” com obstrução da saída do ducto (cravos), que favorece o crescimento de bactérias (Propionibacterium acnes). A combinação de sebo + células + bactérias provoca a ruptura da parede folicular que desencadeia o aparecimento das lesões inflamatórias (espinhas).

 

A acne é uma doença multifatorial e o aparecimento das lesões depende da predisposição genética e do aumento dos hormônios sexuais. Inicia-se geralmente na puberdade, idade em que o organismo começa a produzir estes hormônios, porém também é observada em mulheres adultas, muitas vezes relacionada à alteração menstrual.

 

 

3. Quais os graus da acne?

As lesões podem ser classificadas em diferentes graus dependendo da gravidade:

• Grau 1: acne comedoniana: predomínio de cravos

• Grau 2: acne pápulo-pustular: presença de pápulas vermelhas e espinhas

• Grau 3: acne nodular: apresenta lesões maiores, que formam nódulos

• Grau 4: acne conglobata: quadro mais grave, lesões confluem e formam grandes

   nódulos e abscessos que evoluem com cicatrizes

• Grau 5: acne fulminans: quadro súbito da acne com lesões graves, nódulos, lesões úlcero-hemorrágicas acompanhado de sintomas gerais, como febre, perda de peso, mal estar e dores no corpo. É uma forma rara mais comum em homens jovens.

 

 

4. Pode apresentar complicações? Quais?

A acne pode apresentar complicações físicas e emocionais. Formas graves da doença podem evoluir com nódulos, cistos e abscessos. Estas lesões geralmente progridem para cicatrizes e quelóides. Isso muitas vezes tem um impacto psicossocial importante, levando a um isolamento destes pacientes.

 

 

5. Como prevenir?

Não existe uma terapia profilática. Assim que o paciente perceber os primeiros sinais da acne (cravos e espinhas), ele deve buscar a ajuda de um médico dermatologista. Pais que tiveram acne grave na adolescência devem ficar mais atentos, uma vez que os filhos apresentam um maior risco de desenvolver a doença. O tratamento precoce evita a evolução para formas graves e a formação de cicatrizes, que contribuem para a piora da qualidade de vida destes pacientes. Além disso, deve-se evitar “cutucar” e espremer as lesões, pois isso provoca o aparecimento de marcas e manchas na pele.

 

 

6. Como é feito o tratamento?

O tratamento é individualizado e depende da gravidade da acne. Todos os pacientes precisam usar um sabonete adequado e um protetor solar não oleoso com no mínimo FPS 30. A exposição solar pode piorar as manchas deixadas pela cicatriz de acne.

Nos quadros mais leves, utilizam-se medicamentos tópicos, como cremes a base de ácidos ou peróxido de benzoíla. Já pacientes com lesões maiores, muitas vezes é necessário associar antibiótico oral e, em casos graves ou resistentes, a isotretinoína oral, conhecida como Roacutan®.

 

 

7. O quadro pode se agravar no verão? Por que?

A acne pode piorar no verão se o paciente não tomar os devidos cuidados. O sol pode aumentar o tamanho das glândulas sebáceas e a exposição excessiva leva ao aumento da produção de sebo piorando a acne. Além disso, o aumento da exposição solar nesta época faz com que o paciente precise aumentar o uso de protetor solar e produtos oleosos podem obstruir os poros, agravando a acne.

 

 

8. Quem já sofre do problema deve se preparar de alguma forma? Como?

A acne deve ser tratada o quanto antes. Não existe uma época do ano específica para iniciar o tratamento, e ele pode e deve ser feito no verão, sempre sob supervisão de um médico dermatologista. Evite receitas caseiras ou usar algum produto sem prescrição. O tratamento é individualizado e o que é bom para um paciente pode não ser adequado para outro. O cuidado deve ser redobrado durante o verão, já que muitos cremes de tratamento podem deixar a pele mais sensível e mais propícia a manchas. Além disso, algumas medicações orais são fotossensíveis e podem causar vermelhidão na pele do paciente. Por isso, o uso do protetor solar deve ser intensificado nesta época.

 

 

9. Como é feito o tratamento das cicatrizes de acne?

Após a resolução das espinhas, alguns pacientes podem ficar com cicatrizes na pele. O tratamento visa melhorar as manchas da pele, as cicatrizes atróficas (marcas profundas) e ainda as cicatrizes hipertróficas (marcas elevadas e queloides). Os procedimentos têm como objetivo promover renovação celular, estímulo de colágeno e remodelação da cicatriz.

 

É possível utilizar tratamentos domiciliares com ácidos e clareadores, mas na maioria das vezes é necessário associar algum tipo de procedimentos no consultório. Hoje em dia, temos disponível diversos procedimentos como peelings, subcisão, dermoabrasão, laser, preenchimento e infiltração. O tipo de tratamento depende do tipo de cicatriz e deve ser individualizado para cada paciente.

 

Rua Padre João Manoel, 235 - Cj. 104

Jardins- São Paulo - SP

Tel.: (11) 3064-2035

contato@drarenataalves.com.br

Este site segue os princípios do Código de Ética Médica Brasileiro e dos Princípios Éticos para Sites de Medicina e Saúde na Internet do CREMESP